domingo, 12 de junho de 2011

O SORRISO DO TORTO

O SORRISO DO TORTO

O bêbado ria na festa junina
Segurava seu copo de cachaça
E sorria
Se apoiava na parede como quem não queria nada
E de fato nada queria:
Gostaria que a noite fosse eterna
Uma vez que a festa em movimento o aquecia

O bêbado ria na festa junina
Segurava seu corpo de cachaça
Sozinho
Mas não se lembrava:
Por um instante tudo foi perdoado
E o que importava?
O coração da fogueira
Seu copo cheio
E os sorrisos da moçada

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente! Ou não... Tanto faz.