quinta-feira, 5 de maio de 2011

CRONÔMETROS VIVOS

CRONÔMETROS VIVOS

Tudo se passa pelos trilhos da memória
Acalento caminhos passados
Em destinos trilhados
E o mundo some

Meu mundo sumiu

Volto para os trilhos sujos e sem cor:
A esteira do tempo acinzenta a imagem
Os trilhos estão enferrujados
E já não faz diferença
Porque de nada adianta

Não passamos de cronômetros
Que atrasam o compasso à medida do momento
No circuito fechado do tempo