terça-feira, 3 de novembro de 2009

MANUAL DE TORTURA: A RECEITA DA MORTE

Poesia um tanto quanto "bizarra". Foi feita como tiragem de sarro, portanto, não a levem a sério. Uma viagem no meio de uma aula de matemática mal-sucedida.

Ah... E por favor, insanos de plantão:

Não sigam esse manual.

=)

kAPOASKpoaKSpoA

até.

MANUAL DE TORTURA: A RECEITA DA MORTE

Morda
Veja a chama em seus olhos
Força
Sinta no seu peito o desejo de sangue
Frenesi
Gargalhe feito um diabo ensandecido
Vermelho
Faça energia em medo nos olhos de outrem
Soberania
Amarre-o contra a cruz farpada
Suor
O abstrato e o calor se transformaram em azedo
Sádico
Diga-lhe que matou e estuprou a família dele há pouco
Berro
Reúna e libere os demônios em sua alma
Calor
Corra em investida contra sua presa
Insânia
Coloque-lhe o pesadelo na barriga
Cegueira
Pegue seus dedos e finque-os cavando os olhos de outrem
Montante
Faça-o arrancar as unhas com os dentes
Ódio
Quebre-lhe os dentes e arranque-os com martelo
Conspurque
Corrompa-lhe o corpo profanando o espírito
Vômito
Faça o lugar girá-lo sem perdão
Entrada
Arranque-lhe os dedos com machado enferrujado
Tortura
Amarre vinte agulhas e fure-lhe o corpo inteiro
Humilhe
Defeque sobre o alvo inimigo e urine em suas feridas
Incontestável
Pegue um espeto de churrasco e, após fervê-lo, enfie-lhe no ânus alheio
Prato principal
Faça-o engolir gasolina, e após dez minutos, atei-lhe fogo na garganta
Sobremesa
Banhe-o com álcool e, após minutos de sofrimento, atei-lhe fogo novamente
Digestão
Delicie-se com seus instintos primitivos saciados
E tenha um bom dia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente! Ou não... Tanto faz.