segunda-feira, 9 de novembro de 2009

FIM

Detalhe no ponto final ao fim do poema. :B

FIM

Força...
A violência me deixou de lado.

Fez de mim um escravo sem dono
Escravo de mim
Ou do que eu fui
E fiz fazer
Pétalas de coração de cerejeira
Tão clichê
E tão vazio...

Vento...
Me empurrou pra longe.

Hoje estou mudo com uma forca na cabeça
Sim, na cabeça!
No meu pescoço,
Há uma gravata borboleta
Que eu ganhei de uma amiga.

Trovão...
Assustou-me na noite de chuva.

Mentira,
Porque eu não tenho medo do escuro
Só do final
Então
Façamos sua chegada provisória mais rápida
Que chegue e me acerte como um ponto final

.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente! Ou não... Tanto faz.