terça-feira, 3 de novembro de 2009

A BALANÇA DA VIDA & DA MORTE

Feita durante o Chorando Sem Parar de 2008 com a minha atual (nem tanto) parceira Lia. Foi feita inicialmente para ser uma letra, mas com o desenrolar da criação decidimos:

- Não... Se alguém ou algum louco um dia decidir musicalizá-la, está bem. Por enquanto, nós não.

Eu particularmente gosto muito desses versos, apesar de tratar os assuntos vida & morte com frieza extrema, o que não é meu tipo. Sou sentimental demais e, sometimes, deveras polêmico.

Ando numa vybe mais "tranqüila".

A BALANÇA DA VIDA & DA MORTE
(Lia L./Lucas P. “Delavour”)

Cap I - NASCIMENTO

Eu não consigo viver no escuro
E se eu não puder ver minha liberdade
Me sinto preso
Como Narciso num espelho
Como se a chuva fosse céu
As copas das árvores me lembram o chão
Onde eu pisava há pouco tempo atrás
Mas meu chão e meu céu já se perderam
No meio das raízes da história

Cap II – CRESCIMENTO

A realidade me mostra que as verdades são compatíveis
E a tendência natural é neutra
Assim como são meus olhos
Não vejo a vida nem a morte
Pra mim só existe a existência
Perdida em pensamentos humanos e vazios
E inexistente quando se ausenta a consciência

Cap III – ENVELHECIMENTO

Pra cada vida que se ganha
Há uma vida que se perde
Como moinhos de vento
E toda a natureza inventada por nós
Está entre o azul do céu e o vermelho do fogo
Se eu quiser
O chão está nas copas das árvores
Porque eu criei a invenção
A Balança da Vida & da Morte não pesa o nosso coração
E o Anúbis que inventamos
Se esconde embaixo das asas de um anjo de pedra
Que suspende nossa morte
E ri da nossa existência
Ri porque fomos nós que demos vida
Àquele que nos trás a morte
É para sempre
Porque para sempre não existe
E tudo que não existe
É porque já era antes de nós

Cap IV – DECOMPOSIÇÃO

Nosso círculo de vida nasce e morre a cada instante
Como Uroboros que sintetiza o bem e o mal
Feito cataratas num lençol
Enquanto os vermes que hoje pisamos
Nos esperam amanhã

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente! Ou não... Tanto faz.