segunda-feira, 21 de setembro de 2009

ROSTOS PARALELOS NUNCA DORMEM EM PAZ

E quanto ao poema que eu escrevi para ela no dia em que eu entreguei o CD? Ora... Está aqui. Se vocês realmente quiserem, eu posto. Mas não é exatamente um poema sobre amor. É sobre o fato dela ser uma condenada, assim como eu. Enfim... Eu tentei. Pelo menos, ela me rendeu bons versos, no total. Uma vez que tudo passa, ela se foi cedo demais. Mas tudo bem:

ROSTOS PARALELOS NUNCA DORMEM EM PAZ

Infelizmente
O tempo já deturpou a nós dois
Mas pense do lado positivo:
Seus olhos insanos me atraem.

Ah, se eu tivesse te encontrado antes...
Tudo seria tão diferente (pra você)

Hoje dá pra ver a libido no seu rosto
A malícia na sua voz
O lápis negro em um dos olhos
E a franja caída no outro

E a Vontade
E o Desejo
E o Delírio
Guardam a sombria estação
E juntos
Aguardam a história sair da frente

Ao contrário de mim
Que dá pra ver
O olho caído
A voz desafinada
O cansaço no rosto envelhecido de longe

Minha sina não me deixou boas lembranças
E meu único trunfo quanto a ela
É que agora posso ser chamado de mártir

Isso porque eu sou jovem, minha querida!

Seu rosto, mesmo angelical
Sempre foi triste...

Como uma beleza tão rara pode ser deixada de segundo plano?

E mesmo criança...
Essa é a prova de que rostos bonitos sofrem primeiro!
Garanto que esses seus mesmos olhos
Sempre te levaram os problemas
Que a sua idade não conseguiu suportar

E por isso você é assim.

Você traçou o seu destino, querida.
Torça pra que eu te acompanhe pra sempre
Porque você vai gostar
e se você sentir minha falta enquanto eu estiver morto
Lembre-se:
Meu nome está imortalizado por sacolas de supermercado.

E se mesmo que com febre
Você tiver a sensação de estar engolindo almofadas gigantes
Olhe para seus olhos e lembre-se de mim
Porque seus olhos são maiores que você.

Minha querida:
Você é só mais uma prova
De que os olhos são a janela da alma
E que eles são a danação do que é.

E nunca se esqueça do lado bom:
Você nunca esteve tão próxima de ser minha
Mesmo estando tão longe

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente! Ou não... Tanto faz.