quarta-feira, 23 de setembro de 2009

EU DESISTO

Poema que eu fiz, como desabafo, especialmente para o meu padrasto no dia do meu aniversário desse ano.

EU DESISTO

Não perca o seu tempo
Não perca o seu tempo
Não perca o seu tempo
Não perca o seu tempo

Idiota.

É como se minhas lágrimas fossem ácido
Caindo num rosto de barba feita
Mesmo desfeita

E é como se eu fizesse
O meu sangue, minha meia e meu metal
Num arsenal de armaduras
Duras como diamantes
E tão rebuscadas quanto detritos

Eu to cansado
Eu to cansado
Eu to cansado
Eu to cansado

Não faça da sua cor a sua solução...
Se você sente raiva eu sinto dor
(No caso uma tristeza)
Que me impermeia e me mapeia
Porque eu não vou de frente aos esportes

E se os braços não falam
Porque você faz isso?

Para!
Para!
Para!
Para!

Enquanto eu estou aqui me debilitando
Chorando minhas mágoas e minhas perdas
Preocupo-me com minha vida curta
E o que não hei de viver

Quero que você morra
Que o mundo morra
E que ele acabe em barranco.

E ela não entra
E ela não entra
E ela não entra
E ela não entra

E é aí que eu gostaria de me vomitar pra fora.
Ou desistir de tudo e ainda viver...

O melhor presente de aniversário
Que eu poderia ganhar em toda a eternidade
É uma dinamite.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente! Ou não... Tanto faz.