terça-feira, 29 de setembro de 2009

(-) : Poema Introdutório

Esse foi o primeiro poema válido/sério escrito por mim. Claro que foi modificado com o tempo. ele não tem título, portanto é "untitle". Mas eu gosto do nome dele como "(-)". Dá uma sensação de vazio. Da falta e da necessidade d'eu me achar. Quem quiser se referir a esse poema, diga "Introdução à Mim". Caso eu algum dia escreva algum livro de poesias - e sim, eu possuo essa cobiça - esse será o poema introdutório, que não participará de nenhum capítulo. Enfim, ei-lo:

(-)

Eu não sou d’aqui
Alguém, por favor, me interne em algum hospício
Uma vez que eu estou no hospício da solidão

Não há problemas
Nunca houve

E eu acho que sou poeta...
Mas na verdade sou o Rebelde-sem-Causa,
A Hiena Solitária,
O Protagonista dos Subúrbios
E o Mártir do Coração Partido
Com o coração partido que nunca amou
Mesmo amando o amor inexistente:
O amor nunca existiu

Enquanto eu abro o caderno,
sinto o que há de negro nele
E silencio o silêncio em mim:

Cuide da sua vida que eu cuido da minha
Porque a maior ironia está no meu nome

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente! Ou não... Tanto faz.