quinta-feira, 24 de setembro de 2009

DENTRO DA TORRE

O meu segundo poema:

DENTRO DA TORRE

É difícil viver quando se pensa em suicídio
Fazia tempo que não pensava nisso...
E nesse vazio
E a pobreza do mundo
E as pessoas infelizes
E as pessoas sozinhas que machucam clamando por atenção
E uma segunda chance
Por mais que saibam que não vão mudar

Eu estou cansado
Não existe poesia
Nunca houve

Às vezes nós só nos damos conta de onde estamos
Quando estamos na torre da solidão
Porque o mar que me remete à paixão
É o olhar que me remete ao fracasso
E as perguntas sem respostas
Só abrem respostas do que não há dúvidas:

Eu já não me importo mais

Quando as lágrimas são o ponteiro do relógio
E as horas escapam dos seus olhos
Ninguém sabe quando será o dia de amanhã

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente! Ou não... Tanto faz.